Solte os remos…

24 02 2010

 

O post sobre a Mansuetude recebeu muito comentários, todos deliciosos e cheios de esperança. Agradeço a todos por esses comentários, eles me motivaram ainda mais a continuar escrevendo sobre sentimentos, pessoas… amores!

Reproduzo aqui uma citação que veio junto com um desses comentários:

“Às vezes, quando o vento da renovação começa a uivar,não temos certeza de que as transformações serão para melhor.

A Providência Celestial tem um plano só para nós e as ventanias nos conduzirão aonde precisamos ir. Devemos retirar os remos da água e confiar na embarcação divina.”

#Hammed

Como espírita, acredito em cada palavra desta citação, mas sei como é difícil soltar os remos e ir aonde devemos ir. Dá um medo danado!!!

Veja bem, esta citação não nos incita a deixar a vida acontecer sem nossa participação, muito pelo contrário, ela nos incita apenas a aceitar o inevitável, a deixar acontecer o que precisa acontecer, e desta maneira, ser o autor corajoso de nossa história e principalmente a aceitar o novo, mesmo que este novo venha com a força e o medo que as tempestades nos provocam.

Aprendi com a dor da perda, que devemos aceitar os acontecimentos, mesmo ou principalmente quando nos foi imposto pelo outro ou pelas circunstancias da vida.

É exatamente neste momento que o maior crescimento pessoal pode acontecer e enfim, está acontecendo comigo. Demorei muito a soltar os remos, ainda procuro por eles muitas vezes, tento frear o inevitável, parar os acontecimentos, evitar a dor.

Essa coisa da dor tem muito a ver com o fato de ser mãe, ver o sofrimento dos filhos é pior que sentir o próprio e isso algumas vezes me desespera, mas sei que eles também precisam soltar os remos. Mas é isso, sou mãe, acima de tudo nesta vida eu sou mãe, também demorei muito para assumir isso, assim publicamente, como se esta escolha fosse alguma vergonha. É que me foi dito, sem palavras, por alguém muito importante para mim, que este foi meu grande erro, quase acreditei… Quase me envergonhei desta escolha!

Sou mulher, sou jornalista, sou blogueira, sou designer, sou produtora e em breve serei professora novamente. Ah!Sou estudante, começo minha pós em moda no mês que vem. Mas acima de tudo, sou mãe e foi sendo mãe que aprendi a soltar os remos e foi soltando os remos que virei blogueira,designer,e tive coragem de voltar a escrever e a estudar…Sim,o novo pode trazer coisas maravilhosas, pode vir com muita dor,mas também nos dá muita coragem. O novo pode até trazer o velho remodelado, reconstruir o destruído e desnudar o escondido, acho que foi assim que voltei a ser jornalista, desnudando o medo de escrever, de ser julgada.

 Tem uma música dos #Paralamas do Sucesso, escrita por #Herbert Viana, que diz, Para que a dor possa sempre mostrar algo de bom. Hoje eu sei que a dor tem esta obrigação, a de trazer algo de bom. E esse bom, normalmente é a maturidade e a mansuetude….

um amor, um lugar – Herbert Viana  (link para youtube)

Desde pequenos meus filhos me escutam dizendo “Para Deus, não importa o que acontece com você, importa, o que você faz com o que acontece com você.” E é isso que vai fazer você ser digno de concretizar seus sonhos, realizar seus desejos e anseios mais íntimos. Não tenha medo de sonhar e desejar, tudo pode acontecer!

Portanto, solte os remos, deixe o vento te levar aonde precisa ir, deixe o novo mostrar sua cara, deixe a dor cumprir sua obrigação e confie. Tudo vai acabar bem… Isso é bem coisa de mãe,né? Mas, confie na palavra desta sobrevivente que precisou perder os remos para soltá-los, ficou a deriva e hoje segue digna enfrentando o novo, amando o velho, curtindo o hoje e cheia de esperança no amanhã!

Cynthia,minha amiga, este é pra você.E é também para meus filhos -a maior novidade da minha vida!

Post: Cristina Morais

Anúncios




tok

11 11 2009

Ontem assisti o primeiro episódio da nova série da #Universal#The Good Wilfepelo direito de recomeçar-, ADOREI, ganhei uma heroina , Alicia, uma mulher inspiradora.

 Após o episódio conversava com minha filha sobre a necessidade de seguir em frente, seja lá o que for que tenha acontecido, seja qual for a dor ou a perda, devemos seguir em frente…seguir sempre em frente!!!!

Bom, minha nova amiga, deu algumas dicas ou toques neste primeiro episódio e vou acrescentar mais alguns, afinal sou uma sobrevivente, sofri uma grande perda ou pior uma gigantesca decepção.

Logo após o acontecido parece impossível seguir em frente, a única coisa que nos parece possível é ficar na cama coberta até a cabeça, em alguns momentos saimos do casulo para “matar” um pote de sorvete ou um chocolate.

Lá vão os TOKS :

Saia da cama, todos os dias, mesmo nos primeiros, tome um banho e dê uma volta no jardim, olhe pela janela, veja o sol.

Se arrume diariamente, lave bem os cabelos e nunca deixe a raiz branca aparecer, nunca, jamais, preste atenção neste detalhe, ele faz toda a diferença. Faça uma maquiagem bem feita, a dica é que ela seja suave, mas, vale uma valorizada nos olhos, faça isso por você e se olhe no espelho e veja sua graça, sua beleza única.

Vá a academia. Eu sei, eu sei ,que tem dias que até pra colocar a roupa de ginástica doi, você  puxa a calça de lycra e ela parece que não desliza, ela desistiu dessa coisa de malhar, bom, ou seja forte o suficiente para enfrentar esta danada desta calça ou pegue aquela gostosa calça folgada de algodão, perfeita para as aulas de ioga e vá, o importante é ir!!!!! Se não conseguir malhar nos primeiros dias, tudo bem, converse com as pessoas, tome um suco, dê risada. O importante é sair de casa e criar o hábito de ir malhar.

Converse com as pessoas, mas, preste atenção, conversar não é desabafar. Não saia contando seus problemas para todas as pessoas que você encontrar, não fique o tempo todo falando do ocorrido, de como você se sente e que seu mundo desmoronou. Até por que seu mundo se abalou e não desmoronou!

Preste atenção, conversar sobre o assunto pode ajudar muito,mas, faça isso na intimidade, não na fila da padaria e tente com todas as suas forças falar sobre outras coisas, isso ajuda muito a você e a seus amigos que com certeza em alguns momentos prefeririam dividir um Doritos a continuar a ouvir a ladainha interminável. Eu sei,por que, tiveram momentos que nem eu me aguentava, é melhor dividir o Doritos ou mudar de assunto.

Chame uma amiga para tomar um café e use uma roupa que você gosta muito, uma roupa que te faça se sentir poderosa, vencedora. Você sabe exatamente de qual roupa estou falando, todas nós temos pelo menos uma roupa dessas no armário. Nós mulheres conhecemos o poder transformador que um look certo tem.  Lembra da Gata Borralheira e da Cinderela? A diferença é que hoje nós somos nossas próprias fadas madrinhas e o poder transformador está am nossas mãos.

Outra coisa que pode ajudar muito é comprar uma bolsa nova, mas, uma bolsa poderosa, que deixe você com ar de vencedora. Uma bela bolsa tem o mesmo efeito que uma joia. Acredite!

Passar uma tarde na sua livraria favorita e comprar alguns bons livro também pode ajudar, principalmente se você  for  como eu e adorar se acomodar em uma deliciosa poltrona e ler até os olhos cansarem…é uma delícia e o tempo passa de forma possitiva, construtiva.

Rezar sempre ajuda, eu rezo muito. Peça por serenidade e paciência e tente ficar calma, no mínimo isso vai evitar que você faça alguma bobagem ou pior, pague algum grande mico.

Se a dor vai passar? Não sei, mas, com certeza você vai primeiro se acostumar a ela e depois arrumar um lugar  onde ela incomode pouco, e um dia, ela vai se parecer mais com uma crise de gases que com o fim do mundo!

Não se esqueça que todos temos o direito de recomeçar, mas aqueles que sofreram a dor tem muito mais direito do que aqueles que a causaram. Acredite, isso não é apenas a minha opinião, isso é sagrado!